Museu Damião de Góis

Portugal
MDG

Intervir num edifício existente é por si só um bom desafio, quando à pré-existência juntamos séculos de história o
desafio é ainda maior. A intervenção centra-se na criação de uma estrutura expositiva, alusiva à vida e legado histórico
de Damião de Gois, no interior de uma antiga igreja, recuperada, em Alenquer. A igreja, agora esvaziada dessa mesma
função, funciona como um espaço “contentor” com uma identidade muito própria, marcada pela geometria dos seus
tectos abobadados e pela textura das suas paredes de tijolo, de grande valor plástico.
A proposta procura, precisamente valorizar as características plásticas do espaço, e minimizar o seu impacto na
pré-existência, respeitando o existente, afastando-se das paredes, procurando uma posição central no espaço, assumindo
uma geometria que é familiar ao edifício, originada pelo paralelismo às formas do tecto e paredes, capturando
a configuração do vazio existente numa espécie de núcleo, de cor escura, fragmentado, que recebe e organiza a
exposição e os visitante.
Este núcleo, apesar de fragmentado, confere ao visitante uma ideia de continuidade virtual, onde os seus vazios são
entendidos como momentos de pausa e de contemplação do existente e como momentos de penetração no interior
do núcleo, explorando esta relação ancestral de interior e exterior, que nos fascinou desde o início do projecto.
O espaço expositivo assume-se como um elemento negro, delicado, que convida à sua descoberta e que se destaca
do restante cromatismo do espaço existente, sem nunca se sobrepor a este mas sem perder as suas características
espaciais.

  • Ano de Projecto: 2016-2017
  • Área: 175m2
  • Localização: Alenquer
  • Código: 16MDG
  • Coordenadores:
  • Henrique Marques | Arquitecto
  • Rui Dinis | Arquitecto
  • Colaboradores:
  • Marco Santos | Arquitecto
  • Tiago Maciel | Arquitecto
  • João Ortigão | Arquitecto
  • Directora Financeira:
  • Carla Duarte | CFO
  • Fotografias : FG+SG